Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se extender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento, ações e benefícios governamentais e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos.
Os órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente, e para mudar este quadro é que JUNTOS estamos lutando. Faça sua parte também.
Não seja você apenas mais um nesta lista. Você pode fazer a diferença. #JuntosSomosMaisFortes
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

Sandra Santos -
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS

TRADUTOR

sábado, 4 de junho de 2016

Distúrbios de linguagem em Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crônica



Saiba as causas desses problemas e como tratá-los

 

 

 

 

 


Mulher sênior que fala aos amigos na mesa do café no lar de idosos

Maskot / Getty Images


Se você tem fibromialgia ou síndrome de fadiga crônica e estão frustrados com problemas de linguagem, você não está sozinho! É comum para as pessoas com estas condições para encontrar pesquisas de seus cérebros para as palavras simples que eles simplesmente não conseguem lembrar. Em outras ocasiões, os indivíduos com esses diagnósticos podem ter dificuldade para escrever ou mesmo entender linguagem. Com esse comentário, saber porque as pessoas com esses transtornos muitas vezes têm problemas com tratamentos de linguagem e possíveis formas para sanar essas dificuldades.


Os sintomas linguagem imparidade

O comprometimento da linguagem é um sintoma de fibromialgia (SFM) e síndrome da fadiga crônica (SFC). É parte de um conjunto de sintomas conhecidos como "névoa fibro" ou fog. Os cientistas não tem provas de que estas alterações de linguagem estejam ligadas a doenças cerebrais conhecidas, mas esses problemas são semelhantes aos associados com um distúrbio de fala chamado disfasia (ou afasia , se é grave). 

Algumas pesquisas sobre a fibromialgia mostram um atraso específico em lembrar o nome, semelhante a disfasia nominal, que envolve substantivos.

Causas de distúrbios de linguagem

Os pesquisadores ainda não sabem por que as pessoas com fibromialgia ou SFC podem ter distúrbios de linguagem. Disfasia e afasia estão geralmente ligadas a lesão cerebral ou degeneração, tais como as que surgem a partir de um acidente vascular cerebral. No entanto, não temos evidência de que a SFM ou SFC podem causar este tipo de degeneração. Especialistas têm diversas teorias sobre possíveis fatores contribuintes. 

Eles acreditam que a falta de sono reparador pode levar a esses problemas, bem como anormalidades de fluxo sanguíneo ou volume. Anormalidades cerebrais, envelhecimento cerebral prematuro ou distração mental devido à dor podem todos causar problemas de linguagem.

Tratar distúrbios de linguagem

Sintoma de névoa no cérebro geralmente melhoram quando os níveis de dor e fadiga são bem tratados. No entanto, se você está tendo problemas de gestão com sua condição, você tem várias opções para aliviar sintomas. 

Consulte seu médico, leia livros de medicina ou procure em sites confiáveis ​​para obter mais suplementos e informações, mudanças na dieta e na formação cognitiva para pessoas com SFM e SFC.

Impacto em sua vida

Problemas de linguagem podem causar frustração e constrangimento. Eles tendem a ser imprevisível e podem perturbar a conversa a qualquer momento. 

Eles são muitas vezes pioram quando estamos sob stress. Quando você não pode se comunicar de forma eficaz, pode ser difícil de manter relacionamentos ou manter um emprego. Às vezes, as pessoas podem pensar que você está bêbado, desorientado, ou simplesmente não é muito inteligente. É possível que se torne temeroso na comunicação, e a ansiedade faz com que piore o problema. É importante gerir os seus níveis de estresse e aprender a manter a calma quando seu cérebro vacila.

Lidar com distúrbio de linguagem

Encontrar formas eficazes para lidar com distúrbios de linguagem podem ajudar a aliviar alguns impactos emocionais e sociais. Por exemplo, se você achar que é mais fácil escrever do que falar, você pode ter um tempo mais fácil se comunicar via e-mail ou de texto sempre que possível. 

Tenha certeza de que as pessoas mais próximas à você entendam este sintoma, para que eles possam ser pacientes ou ajudá-lo quando você estiver lutando para encontrar uma palavra. No trabalho, você pode solicitar adaptações razoáveis, tais como a obtenção de instruções, por escrito, em vez do ordens verbais. Com o tratamento adequado e de gestão e estratégias de enfrentamento eficazes, distúrbios de linguagem pode tornar-se "menos de um problema". A chave é continuar a trabalhar e comemorar cada pequeno passo em frente.

 Fontes:

Burgmer M, et al. NeuroImage. 2009 Jan 15;44(2):502-8. Altered brain activity during pain processing in fibromyalgia.
Centers for Disease Control and Prevention. "Symptoms".
Cicerone et al., Evidence-based cognitive rehabilitation: Updated Review of the literature from 1998 to 2002. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation 2005 Vol 86; 1681-1692.
Cook DB, et al. NeuroImage. 2007 May 15;36(1):108-22. Functional neuroimaging correlates of mental fatigue induced by cognition among chronic fatigue syndrome patients and controls.
Emad Y, et al. The Journal of Rheumatology. 2008 Jul;35(7):1371-7. Hippocampus dysfunction may explain symptoms of fibromyalgia syndrome.
Jordan Lori and Hillis Argye. Disorders of speech and language: aphasia, apraxia and dysarthria. Current Opinion in Neurology 2006 19 (6): 580-585.
Leavitt F, Katz RS. Speed of mental operations in fibromyalgia: a selective naming speed deficit. Journal of Clinical Rheumatology. 2008 Aug;14(4):214-8.
Luerding R, et al. Brain: A Journal of Neurology. 2008 Dec;131(Pt 12):3222-31.Working memory performance is correlated with local brain morphology in the medial frontal and anterior cingulate cortex in fibromyalgia patients.
Mountz JM, et al. Arthritis and Rheumatism. 1995 Jul;38(7):926-38.Fibromyalgia in women. Abnormalities of regional cerebral blood flow in the thalamus and the caudate nucleus are associated with low pain threshold levels.
Schmidt-Wilcke T, et al. Pain. 2007 Nov;132 Suppl 1:S109-16. Striatal grey matter increase in patients suffering from fibromyalgia--a voxel-based morphometry study.
Starlanyl, Devin J. "Fibromyalgia and Chronic Myofascial Pain For Doctors and Other Health Care Providers."

 Fonte 

Tradução
- Google Translate
- Sandra Santos - fundadora Abrafibro




Postar um comentário