Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

TRADUTOR

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Acupuntura no combate da dor crônica?

Publicada em 24/04/2018 às 15h00. Atualizada em 24/04/2018 às 15h10


Veja como essa técnica milenar pode combater qualquer tipo de dor.


Bahiana
A palavra “acupuntura” se origina do latim, Acus (agulha) e Punctura (punção), é uma técnica milenar, oriental, utilizada para curar e/ou melhorar doenças e que, nos anos de 1920 a 1930, ganhou o direito de ser aplicado em clínicas e hospitais. Atualmente, existem dois tipos básicos da acupuntura, a tradicional chinesa, a qual faz toda a regulação energética (os chineses entendem que a doença no físico é resultado de uma desordem energética) e a sintomática, a qual utiliza a acupuntura somente para aliviar os sintomas da doença. 
iSaúde – O que podemos entender por "dor crônica"?
Bárbara Queiroz – Alguns estudos sugerem que a dor superior a 30 dias ou três meses seja considerada dor crônica.
iS – Quais tipos de dores crônicas podem ser tradas pela acupuntura?
Bárbara Queiroz – Todo tipo de dor crônica pode ser tratada pela acupuntura.
iS – Essa técnica apenas alivia a dor ou realmente trata levando a cura ao paciente?
Bárbara Queiroz – A depender da técnica escolhida, ela realmente tratar a dor. 
iS – Como, de fato, essa técnica atua no corpo do paciente?
Bárbara Queiroz – Regulando a energia dos meridianos, liberando endorfina e serotonina, que são responsáveis pela sensação de bem-estar, aliviando as dores.
iS – Como a acupuntura pode ter maiores ganhos (realizada em mais sessões, atrelada à fisioterapia e medicações)?
Bárbara Queiroz – A acupuntura, atualmente, é tratada como sendo uma terapia complementar, ou seja, ela pode ser associada a outras terapias, ajudando-as em suas eficácias, podendo inclusive, diminuir as dosagens dos medicamentos. 
iS – Quem pode se submeter a esse tratamento? A acupuntura é contraindicada em algum caso?
Bárbara Queiroz – Todas as pessoas, com atenção especial às gestantes, pois existem alguns pontos que são estimulantes da contração uterina, que, se realizada nos primeiros meses pode ser abortiva, sendo indicado utilizar esses pontos nos últimos meses, para estimular o parto.
iS – Com relação a pacientes com dor crônica, quais dicas poderia dar para diminuir a dor?
Bárbara Queiroz – Realizar a acupuntura, fisioterapia, tratamento medicamentoso e psicológico. Não podemos esquecer dos aspectos psicológicos, pois estes exercem grande influência nos casos de dor crônica.


Autora


  • Bárbara Liliane Lôbo Queiroz

    Bárbara Liliane Lôbo Queiroz / CREFITO: 199118-F

  • Educadora Física pela Faculdade Social da Bahia (FSBA), 
  • *Fisioterapeuta pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (Bahiana), 
  • *Especialista em Exercícios Físicos Aplicados à Reabilitação Cardíaca e a
  • Grupos Especiais pela Universidade Gama Filho (UGF), 
  • *Instrutora de Pilates pelo Instituto Brasileiro de Pilates (IBRAPILATES), 
  • *Acupunturista pela Associação Brasileira de Acupuntura (ABA), 
  • *Mestre em Tecnologias em Saúde pela Bahiana, 
  • *Formação em Quiropraxia Instrumental (Instituto Soulier), 
  • *Crochetagem (Associação Brasileira de Crochetagem), 
  • *Kinesiotaping (Kinesio Taping Association Internacional), 
  • *Professora das disciplinas TCC I, TCC II e 
  • Metodologia Científica no curso de Fisioterapia na Faculdade São Salvador. 
  • *Fisioterapeuta da Clínica Avançada de Fisioterapia do Centro Médico da Bahiana Saúde, 
  • com atuação na área de ortopedia, RPG e acupuntura.
  • Fonte: http://www.isaudebahia.com.br/noticias/detalhe/noticia/acupuntura-no-combate-da-dor-cronica/



Postar um comentário